quinta-feira, 16 de julho de 2015

A vendedora de fósforos

 "Quando criança, costumava ficar imóvel, concentrada no ruído que meus ossos emitiam ao crescer. Era inconcebível que isso acontecesse sem outro aviso que o dos sapatos, de um dia para o outro expulsos dos pés. Uma coisa importante assim devia vir precedida de uma notificação para que a gente pudesse tomar providências, agir de maneira correta. Ainda hoje parece-me malicioso que o sentido de tudo se revele somente depois, quando não há nada a fazer senão aceitar o novo tamanho e descobrir um lugar onde se caiba. Nisso os sapatos e a consciência se parecem: só quando apertam é que sabemos.” 
(A vendedora de fósforos - Adriana Lunardi, p.62)

                                                                                                          A consciência......
                                                                                                                          sempre a consciência...... 

                                                                                 Pintura da artista Kelly Vivanco





terça-feira, 11 de março de 2014

Livros digitais gratuitos


Para quem está sempre conectado à web e gosta de descobrir novidades, e além disso, está de olho naquele livro que ainda não tem na Biblioteca da sua escola ou cidade, ou ainda não conseguiu comprá-lo, temos uma dica super bacana: livros digitais gratuitos.

Eu sei que ler no computador ou celular não é a mesma coisa que ler com o livro de papel, mas esses digitais são iguaizinhos aos de papel, tem a mesma capa, a mesma letra, os mesmos desenho que os originais de papel, ou seja é O LIVRO DIGITALIZADO!

Vale conferir os títulos disponíveis:






Esses livros e muitos outros estão disponíveis, acesse e divirta-se:


Brasileiros estão lendo mais

 fonte 

        Uma pesquisa feita pela Fecomércio (RJ) investigou os hábitos culturais do brasileiro, e descobriu que a leitura de livros surge como a atividade cultural mais praticada no país em 2013.

       Segundo o estudo, a leitura conquistou um percentual de 35% dentre os entrevistados, ficando à frente de outras atividades como cinema (28%), apresentações musicais (22%), peças de teatro (11%), exposições de arte (8%) e espetáculos de dança (7%).

     Desde o início do levantamento realizado pela Fecomércio, em 2007, a leitura de livros tem se destacado como atividade cultural mais citada entre o público.

     Em 2013, entre os que não leram livros (65%), 55% disseram não possuir o hábito da leitura. Em seguida, 31% afirmaram que não gostam de ler ou preferem outras atividades culturais. Com menor relevância, 11% informaram que não podem pagar ou acham caro os preços dos livros.

     A principal razão apresentada pelos brasileiros para não frequentarem atividades culturais continua sendo “falta de hábito” e o fato de não gostar (ou preferir outras atividades). O preço não é o principal motivo. O custo da atividade aparece apenas na terceira posição entre os motivos que distanciam o brasileiro de atividades culturais. Para os 49% que não usufruíram de nenhum programa cultural no ano passado, os principais meios de lazer citados foram assistir TV (52%), seguido por ir a centro religioso (15%), fazer um almoço com amigos (8%), ir a barzinhos e jogar futebol (ambos com 6%).

Para saber mais sobre a reportagem e também informações sobre a fonte é só acessas ' O tempo '

sábado, 24 de agosto de 2013

Hummm, cheirinho de livros novos......

Livros novinhos para todos vocês curtirem
em nossa biblioteca.

Lançamentos esperadíssimos!!!!!!! Empréstimos dia 29/08 - quinta-feira





quinta-feira, 2 de maio de 2013

O caderno de Maya - Isabel Allende

"Chiloé tem voz própria. Antes eu não tirava os fones dos ouvidos, a música era meu oxigênio, mas agora ando atenta para entender o castelhano arrevesado dos nativos...Sem o iPod posso ouvir a voz da ilha: pássaros  vento, chuva, crepitar de lenha, rodas de carroça e, as vezes, os violinos remotos do Caleuche, um barco fantasma que navega na neblina e é reconhecido pela música e a barulheira dos ossos dos náufragos que vão a bordo cantando e dançando. "

O caderno de Maya - Isabel Allende, p. 60


E se você tirar os fones dos ouvidos que sons vai ouvir???? 
Você nem imagina né, pois nunca prestou atenção nisso. 
Que tal essa experiência?!

quarta-feira, 1 de maio de 2013

O caderno de Maya - Isabel Allende

"Minhas vísceras começaram a sofrer o ataque frontal das bactérias chilenas. No segundo dia nesta ilha, caí de cama curvada de dor no estômago e ainda sinto tremores, por isso passo horas na frente da janela com uma bolsa de água quente na barriga. Minha avó diria que estou dando um tempo para minha alma chegar a Chiloé. Ela acha que viagens de avião não são convenientes porque a alma viaja mais devagar que o corpo, se atrasa e, às vezes, se perde pelo caminho; essa seria a causa de os pilotos, como meu pai, nunca estarem totalmente presentes: vivem à espera da alma, que anda nas nuvens."

(O caderno de Maya - Isabel Allende, p.39)