sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Feira do conhecimento - Eu passei por aqui

Acontece hoje em nosso colégio, a II Feira do Conhecimento, e muitas pessoas estão vindo prestigiar os trabalhos de nossos alunos, professores e funcionários.
Estamos criando este post para que todos ao passarem pela biblioteca para curtirem nossas atividades, deixem o seu recadinho e o registro de sua visita.

ACESSE MAIS FOTOS EM: http://www.portaldoisvizinhos.com.br/galeriasindiv.asp?id=848





















terça-feira, 25 de outubro de 2011

O que é amor?



“Passei a ocupar meus dias pensando sobre o que, afinal, é isso que todo mundo enche a boca para chamar de amor, como se fosse algo simplificado: defina em meia dúzia de frases, é fácil querida.
É fácil? Pois a querida não entende como uma palavrinha tão simples formada por apenas duas vogais e duas consoantes pode absorver um universo de sensações contraditórias, diabólicas, insensatas, incandescentes e intraduzíveis. O que é amor? Já tentei explicar a mim mesma e, por mais que tente, jamais conseguirei atingir e essência dessa anarquia que dispensa palavras.”
Fora de mim - pg 124 - Martha Medeiros 

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

A Idade de Ser Feliz






Existe somente uma idade para a gente ser feliz,
somente uma época na vida de cada pessoa
em que é possível sonhar e fazer planos
e ter energia bastante para realizá-las
a despeito de todas as dificuldades e obstáculos.

Uma só idade para a gente se encantar com a vida e viver apaixonadamente
e desfrutar tudo com toda intensidade
sem medo, nem culpa de sentir prazer.

Fase dourada em que a gente pode criar
e recriar a vida,
a nossa própria imagem e semelhança
e vestir-se com todas as cores
e experimentar todos os sabores
e entregar-se a todos os amores
sem preconceito nem pudor.

Tempo de entusiasmo e coragem
em que todo o desafio é mais um convite à luta
que a gente enfrenta com toda disposição
de tentar algo NOVO, de NOVO e de NOVO,
e quantas vezes for preciso.

Essa idade tão fugaz na vida da gente
chama-se PRESENTE
e tem a duração do instante que passa.



Feliz Aniversário Eliane!!!!!!!


Julgar....


" Medo de desafiar - ai! - que duro o julgamento desse próximo, medida de todas as coisas. Tão atento o nosso próximo.Atento e desatento: condena, absolve, aconselha, desaconselha e depois vai tomar chope, esquece. O objeto do julgamento - o réu - levando tudo tão a sério, fazendo e desfazendo. E o outro, como no poema, tirando ouro do nariz."


(Lygia Fagundes Telles - A disciplina do amor, p.19)

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Viajar pela leitura



Viajar pela leitura
sem rumo, sem intenção.
Só para viver a aventura
que é ter um livro nas mãos.
É uma pena que só saiba disso
quem gosta de ler.
Experimente!
Assim, sem compromisso,
você vai me entender.
Mergulhe de cabeça
na imaginação!


Clarice Pacheco

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Viciada em entender

"Não consigo imaginar nada mais satisfatório do que amar, e mesmo não sabendo o que o amor significa, sei o que representa. É o que nos faz, no meio de uma multidão, destacar alguém que se torna essencial para nosso bem-estar, e o nosso para o dele. É receber uma atenção exclusiva e ofertá-la na mesma medida. Ter uma intimidade milagrosa com a alma de alguém, com o corpo de alguém, e abrir-se para essa mesma pessoa de um jeito que não se conseguiria jamais abrir para si mesmo, porque só o outro tem a chave desse cofre.O amor é uma subversão, e seu vigor nunca será encontrado em amizades ou parentescos. Todas as palavras já foram usadas para defini-lo: magia, surpresa, visceralidade, entrega, completude, requinte, deslumbre, sorte,conforto, poesia, aposta, amasso, gozo.                                                                                            Créditos da imagem

Amar prescinde de entendimento. Por isso não sei amar, porque sou viciada em entender.


Fora de mim - Martha Medeiros, p.122                               

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Cai chuva no céu cinzento

Cai chuva do céu cinzento
Que não tem razão de ser.
Até o meu pensamento
Tem chuva nele a escorrer.

Tenho uma grande tristeza
Acrescentada à que sinto.
Quero dizer-ma mas pesa
O quanto comigo minto.

Porque verdadeiramente
Não sei se estou triste ou não.       

E a chuva cai levemente                                           
(Porque Verlaine consente)
Dentro do meu coração.
Fernando Pessoa

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Humm....cheirinho de livros novos ....

Mais livros novinhos!!!!
Façam suas reservas!

Coleção "Como treinar o seu dragão"


Livro 1

Livro2

Livro 3

Livro 4

 Livro 5

 Livro 6

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

A jogadora de xadrez



"Numa de suas noites de combate, deu-se conta, subitamente, de que todos os grandes teóricos eram homens. Nunca ouvira falar de alguma grande jogadora de xadrez. O talento para o tabuleiro parecia residir em algum lugar dentro dos testículos. Não nos de Panis, certamente, mas com certeza nos dos grandes mestres.
E, apesar disso, não era o rei que reinava na partida."


A jogadora de xadrez - Bertina Henrichs, p.94

O peão

Na postagem anterior, está descrito como Eleni interpretou o significado de cada peça no jogo de xadrez. Mas só depois que aprendeu a jogar, foi que ela entendeu o real significado da peça mais simples do tabuleiro.










"... As peças só adquiriam sentido se relacionadas umas com as outras.
      O peão era a base do jogo, pequeno soldado servidor, avançando em linha reta rumo ao seu único objetivo: bloquear o exército inimigo ou ascender socialmente. Podia se transformar em rainha, torre ou cavalo, conforme as necessidades do jogo. Se o peão era a alma do xadrez, a rainha era o coração."






A jogadora de xadrez - Bertina Henrichs, p.94

A jogadora de xadrez



Sempre gostei do jogo de xadrez, mas vou confessar que nunca havia parado para refletir o que suas peças significavam, nem acredito que isso passou despercebido por mim. Só por isso a leitura desse livro já vai ter valido a pena.


"Dispôs os dois exércitos, frente a frente, sobre o tabuleiro.(...) Estudou, então os movimentos que as diferentes peças podiam fazer. Os peões, na primeira fileira, não lhe pareceram dignos de grande interesse. Seu trajeto era simples, imutável e sem brio.
O cavalo pareceu-lhe o mais difícil de manejar, com seus saltos caprichosos e imprevisíveis. (...)


A peça mais pontuda, que ela não tinha conseguido reconhecer no quarto 17 e que lhe incutira aquele imenso desânimo, era o bispo. Esquisito, pois seus deslocamentos eram bem mais hábeis do que os do cavalo. Não era desse modo que Eleni imaginava um bispo. 
Nem, aliás, um rei. Como é que uma figura tão imóvel podia representar um rei? Não era nenhuma especialidade em realeza, mas sempre havia imaginado uma presença onipotente, composta de muito luxo e voluptuosidade. Aquele rei não tinha nada de majestoso. Incapaz de se defender sozinho, precisava ser protegido permanentemente pelas outras peças. Era ele, no entanto que definia o jogo. Eleni refletiu por alguns instantes a respeito desse paradoxo.
Em compensação, ficou chocada com a agilidade da rainha. Peça temível, reinava sobre a partida com seus avanços rápidos e suas múltiplas capacidades. A única figura feminina era a que possuía todos os poderes. Eleni gostou dessa ideia subversiva. quase deu uma gargalhada, mas segurou-se para não acordar Panis, que não aprovaria aquele ataque de risos em plena noite. Precisava contar para Katherina o caso da rainha. Ela não iria acreditar."


A jogadora de xadrez - Bertina Henrichs, p.37

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Respirar...

Respirar profundamente era como beber um vinho branco gelado e doce, pensou.
Poderia tornar-se um hábito casual, facilmente aceito
como se não tivesse importância, como se fosse gratuito.

A altura proporcionava uma visão total do mar, de nesga de terra
firme onde ficava o farol e sua lança de luz brilhante.

Nora Roberts - Belíssima, p. 368